Manifesto do Quilting – pela valorização da técnica

Em uma divertida referência aos vários “Manifestos” de arte largamente produzidos no passado,

nós decidimos criar também o “Manifesto do Quilting”

Esses Manifestos de arte sempre surgiam quando alguém (ou um grupo de alguéns) queria dar voz à uma nova maneira de se expressar.
Quando queriam dizer: eu sei o que está sendo feito, mas eu acho que deveria ser assim.
Quando diziam: eu acho que deveria ser assim por causa desses motivos aqui.
E por aí vai…

E foi durante o processo de criação e de quilting do nosso quilt Revenge of the Doodle que a ideia de um Manifesto do Quilting apareceu para nós!

Você pode conhecer todos os detalhes desse quilt clicando sobre o nome dele acima.
E é até interessante que você conheça o quilt – caso ainda não conheça – antes de prosseguir com esse Manifesto do Quilting.

E foi durante o processo todo que pensamos:
e o que poderia haver de mais contrastante para darmos um pontapé inicial nesse nosso Manifesto do Quilting do que “pichar” monstros sobre os tão famosos e adorados rostos de Hollywood?
– os monstros que quiltamos são famosos também, mas quem quer ver esses lindos rostos se transformando em monstros e aberrações?

Nós fizemos essa peça Revenge of the Doodle como uma brincadeira.
Quando vimos o resultado final, achamos a mudança interessante e ainda mais peculiar no forro da peça, em que os rostos “desaparecem” por causa da linha invisível – e os monstros surgem com toda força com linha preta sobre o tecido off white (“branco sujo”)

Foi por causa do efeito transformador do quilting que decidimos inscrever essa peça em concursos.
E foi também por causa desse efeito que criamos o Manifesto do Quilting.

A gente gostaria de ver o quilting em si mais valorizado
– não apenas em concursos, mas também no cotidiano das pessoas!

O quilting, no final das contas, é o que vai dar o “tom” do trabalho, é o que vai dar a textura, vai dar o sentido, vai passar uma mensagem.

O ideal, claro, é que ele faça isso em acordo com o que há por baixo dele!
No caso de peças de outras pessoas, nós fazemos questão de oferecer cinco tipos de quilting diferentes exatamente para garantir que o quilting siga na mesma direção que os objetivos daquela peça: o quilting deve andar de mãos dadas com o patch ou topo da peça.
Já no caso de concursos e exposições, queríamos mostrar como o quilting nem sempre é tão levado em consideração, principalmente quando em conjunto com peças de patchwork.
No caso de wholeclothes, a história mostra que o quilting começou a ser visto como arte a ser apreciada em concursos somente há pouco tempo.
Ainda assim, a história também mostra que há apenas alguns anos um trabalho só de quilting recebeu uma premiação como o Best of Show.
E tudo isso faz parte de uma evolução mesmo.

Antes, o quilting à máquina era até menosprezado.
Quando a primeira quilter ganhou o primeiro prêmio nos Estados Unidos com uma peça quiltada à máquina, houve muita comemoração das outras quilteiras!

Depois, foi a vez das chamadas máquinas “longarm” (máquinas móveis sobre trilhos) – também menosprezadas e, no momento glorioso em que uma peça quiltada por uma longarm recebeu um prêmio, também foi motivo para grandes comemorações.
Principalmente porque foi o símbolo de quebra de resistência por parte dos peritos em relação ao quilting em máquina estacionária.
Agora, quem sabe, seja hora do próximo passo.
Seja hora de olhar para o quilting com os mesmos olhos atentos e cuidadosos que olham para o piecing (patchwork).

Talvez seja hora de começar a ver o quilting com mais cuidado também nas peças chamadas utilitárias
– colchas, mantas, jogos americanos, bolsas, almofadas, etc.

Talvez seja hora de pensarmos: que quilting eu quero para essa peça?

Ou, talvez seja hora de dar até um passo para trás e pensar:
o que afinal eu quero de verdade para essa peça?
O quilting pode oferecer isso para a peça.

O quilting pode transformar completamente a peça.
O quilting pode dar à peça o que ela precisa ou aquele algo a mais que faltava.
O quilting pode extrapolar ou respeitar os “limites” da peça.
O quilting pode tudo.

Isso tanto é verdade que a gente sempre ouve por aí: “o quilting pode valorizar uma peça – ou acabar com ela!”
Se o quilting pode transformar a peça em algo “melhor” ou “pior”, será que já não é hora de começar a pensar sobre quilting?

O quilting não é só mais uma costura.
O quilting pode ser justamente aquilo que você queria, que você precisava.

O quilting modela, transforma e cria novas percepções para a peça.

E é por isso que acreditamos que deve haver um Manifesto do Quilting!
O quilting vive como uma técnica secundária e menos importante.
E talvez a gente devesse pensar: mas por quê?
A resposta poderia ser: porque as pessoas tem medo.
Medo? As pessoas tem medo de quilting?
Sim.
Quantas pessoas você não conhece que dizem:
“não vou quiltar para não estragar a peça”
“tentei, não consegui e desisti”
“o quilting não é para mim”
“quilting é difícil”

E a gente vive dizendo:
Quilting é prática.
Quilting é treino.
Quilting é técnica.

E não facilita nada quando existe uma disseminação de desinformação por aí que só o que faz é criar ainda mais medo nas pessoas.
Achamos que chegou a hora da verdade!
Chegou a hora do quilting gritar para o mundo: eu sou fácil, você consegue.

A gente já ouviu gente dizendo “mas vocês não podem dar uma aula tão completa assim”
E nos perguntamos: por que não poderíamos?
E acho que esse Manifesto do Quilting talvez tenha trazido a resposta.
Porque quem quilta hoje em dia tem medo que outras pessoas aprendam de verdade.
Quem quilta hoje em dia tem medo que as outras pessoas sejam melhores do que elas se aprenderem de verdade.
Quem quilta hoje em dia tem medo que informação boa crie profissionais boas.
E quem quilta hoje em dia tem medo que a verdade as impeça de vender.

O Manifesto do Quilting existe a favor da educação, da informação de qualidade, da profissionalização, da derrubada de mitos e mentiras.

Você deseja um futuro assim para o quilting no Brasil?
Você deseja que o quilting possa ser mostrado sem mentiras e complicações?
Você deseja que o quilting seja valorizado?
Nós desejamos.

Nós esperamos que o quilting possa sobreviver apesar das mentiras, das desinformações, e que ainda haja algumas pessoas que buscam a verdade, que buscam o conhecimento.

por Aline Bugarin e Natasha Bugarin
– equipe OQS

Que tal compartilhar esse texto com outras pessoas que podem se apaixonar por quilting também?

WhatsApp
Facebook
Email

Quer aprender ainda mais sobre QUILTING e descobrir como você pode inserir mais beleza e arte na sua vida hoje mesmo?

Comece por essa SUPER aula gratuita, em que você vai aprender quais são os 07 passos certeiros para alcançar um quilting infalível – serve para qualquer máquina de costura!

Inscreva-se no Quilting 360º, um programa de aprendizado contínuo de quilting para você partir do zero e chegar no quilting extraordinário, com aulas ao vivo, embasamento técnico e muitoooooo mais

9 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pesquisar

Artigos Populares

Fique atualizada

Entre para nossa lista VIP

Cadastre seu email na nossa lista VIP para receber novidades, dicas e muito mais…

Outro artigos que você vai amar :)

quilting com regua atualizações de aula grátis no youtube
Aline e Natasha

Boletim OQS 012

Quilting com régua, inspiração emplumada, tira-dúvidas de ferramentas e muito mais!Esse boletim está recheado de técnica, informação e muita alegria! BATALHA DE QUILTING!Esse ano a

ler artigo completo >

Boletim OQS #043

OOIII QUILTER!!! Feliz terça-feira para todas nós! Essa semana foi repleta de dicas, técnicas e novidades!Começando em clima da série O QUILTING MAIS DESEJADO DO

ler artigo completo >